Dança ao redor da fogueira.

Tenho visto sua falsa tentativa de negar a solidão, os pensamentos buscando distrações.

Sua pele escondendo cicatrizes, sua boca se embriagando com o gosto das bebidas fortes, você quer esquecer mas a cada lembrança, você fortalece o que está na sua cabeça.

Dói se torturar e esconder, eu sei.

Somos uma junção de tudo o que vivemos e passamos.
Passado e presente.

Nada é tão simples como parece, falar cansa e sentir, sentir nos enlouquece, nos leva ao abismo.

Porque acumulamos ações não feitas, promessas quebradas, histórias inacabadas e nos questionamos.

É um ciclo vicioso dançar ao redor da fogueira.

Seus dedos tocam e destroem na mesma proporção, não há pra onde correr, a não ser de volta ao início e colocar um ponto final no lugar certo.

Apresse os passos, caminhe até onde seu pesadelo virou realidade, seja forte e acenda a fogueira.

Deixe que queime, tudo que vem te destruído, todas as palavras que te feriram, lembranças de um passado dolorido.

Não deixe seu corpo tão perto das chamas, sua dança tende a nos possuir.

Deixe que apenas seus olhos vejam as chamas destruindo suas memórias, veja as dançando em meio as suas cicatrizes.

É hora de esvaziar a bagagem, existe vida em você.