A realidade que troca de sabores .

E parece que encontrei o equilíbrio, não ando mais distraída remexendo no que não importa mais.

Não posso voar, mas também não irei me ver caída no chão. Não mais, não mais.

Eu sou mais do que pareço ser, e novamente a briga não inclui você.

Luto todos os dias, e dentro de mim só eu sei o que preciso aniquilar para continuar. Só eu me permito ferir.

Cada autoproteção é válida diante de circunstâncias que são ilusórias, o irreal não me importa, não posso romper essa linha, mas posso optar pelo que viver.

A realidade que troca de sabores conforme seu cenário atual.

Tenho que dizer, estou me acostumando a sentir o gosto amargo em minha boca.

Sou uma peça neste jogo, e eu não sirvo pra nada mais, do que pra sobreviver a minha própria existência.