Meus monstros.





E quando a lua cheia se mostra, desperta em mim todos os monstros que se mantinham trancafiados.

Liberta minha alma sedenta, e ignora a razão, ou o pensar.

Me impulsiona a queda, e traz a tona as lembranças de vidas passadas.

Eu grito, e cavo cada vez mais fundo os buracos que tentei cobrir.

Vou retirando as fotografias, retirando as cartas e objetos, então faço uma fogueira, e os deixo queimar.

Gosto de ver as chamas dançarem, ao som de uma bela e triste harmonia.

Enquanto meus monstros queimam, espero o fogo cessar, matando um por vez sempre que necessário, destruindo qualquer mera lembrança que os alimentam e os trazem de volta à me devorar.
Porque eles sempre voltam.....e preciso sempre os fazer queimar.