Não existo mais.

Acho que pra você, está tudo bem.

Já não tenho notícias de mim, um vazio nas paredes, todos os quadros desaparecidos, nenhum vestígio de existência por aqui.

Não notaram que fui embora, e não sei onde deixaram meu corpo.

Minha alma agora vaga, e é tão difícil saber que não sou mais uma matéria, onde você fingia se importar.

Sou como a poeira agora, sendo levada pra todos os lados com o vento.

Já não sei, se o nós existe, porque estamos sempre sozinhos.

Eu estou sozinha, desde o começo e tarde percebi..