Meu tempo.



Mesmo que eu não veja, não muda o meu sentir, mesmo que eu esteja aqui, me sinto em outro lugar.


Não preciso dizer, já tenho escrito por longos anos e meu amparo é somente aquilo que posso segurar.


Se mudo, e revivo alguma parte de mim é porque preciso para prosseguir.
Se em algum desses caminhos que me perdi, você tiver me encontrado  provavelmente o terei esquecido.

Alguns rostos não me lembro mais, sou completamente distraída. Vivo constantemente no meu próprio mundo.

Estou compondo novamente mais uma canção, esperando que meus dedos consigam inventar uma melodia que possa acompanhar minha alma nessa transição de dor e alegria, já que elas têm sido minhas companheiras desde então..

Estou vivendo neste momento, no que posso me segurar.