Sua vez.



Seu veneno tenho provado e este liquido não tem me trago paz,
as imagens se embaralham em minha mente, é possível que você nunca tenha estado aqui?

Com sua armadura, tuas palavras mesmo quando não ditas cortam, teu silêncio é perturbador.

Corre dentro de mim a mais estranha sensação, você despertou algo que eu não me recordava mais,
Essa sede incontrolável de mudar.

Não me olhe como se me conhecesse, nunca foi seu querer, guarde tuas palavras se são as mesmas que eu estou cansada de ouvir.

Em algum momento também você não estará mais inume e essa barreira que te deixa nessa zona de conforto não irá mais te proteger, então vai ser a sua vez.