Meu próprio ser




Cai a chuva sobre mim, neste momento é fácil decifrar cada sentimento existente aqui.

Não esta gelada mais cai lavando minha alma,e uma música ao longe soa lentamente, 
deixando esse momento único.

Olho o reflexo no chão,me sinto como uma garotinha aprendendo a brincar sozinha,
sem cobranças, sem memorias, sem passado ou  futuro.

Nossa alma é como uma balança, sem equilíbrio uma parte se cai.
Possuímos diversas ferramentas, que nos mantém vivos.
Não somos só um corpo, uma mente, somos a junção de tudo o que a mente humana ainda não compreende.

Sinto me como se sentisse tudo e ao mesmo tempo nada.
Minha alma voa mesmo estando presa a mim, e nesses momentos de reflexão me guio na mais plena sintonia do meu próprio ser.