Há um espinho..




É como se todas as feridas estivessem guardadas,
esperando a hora de aparecer, mostrando que ainda há fraquezas que não consigo superar.

E tudo desaparece no vazio desse quarto escuro, tranco a porta,
ouço minha mente tão frustada e eu não sei aonde foi parar os planos, tão detalhados. 

As feridas querem sair de mim,marcando minha pele..
não há nada além, não há nada que me faça esquecer como cheguei aqui,
mesmo correndo eu continuo no mesmo lugar.


Toda fraqueza alimentando um falso sorriso, e há quem acredite no que digo,no que aparento.

há um espinho,e eu me machuco muitas vezes quando atravesso esse vale de tormentos a entrega do que devora uma alma incurada acalantado..